+351 21 790 8300 ext. 1496
cesem@fcsh.unl.pt

Júlia Suzanne Pereira da Cunha Durand

INVESTIGADOR EM FORMAÇÃO

Júlia Suzanne Pereira da Cunha Durand

Foto
Bolseira de Investigação
negemus.cesem@gmail.com
Nota Biográfica:

Júlia Durand (n. 1994, Braga) é membro do Núcleo de Estudos em Género e Música (NEGEM), Grupo de Estudos Avançados em Sociologia da Música (SociMus), e Grupo de Estudos Avançados em Música e Cibercultura (CysMus), do Centro de Estudos de Sociologia e Estética Musical (CESEM). Actualmente é bolseira no CESEM (Bolsa de Investigação SociMus). Concluiu a licenciatura em Ciências Musicais na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, encontrando-se de momento a realizar o mestrado em Ciências Musicais – Musicologia Histórica. Frequentou o Conservatório de Música Calouste Gulbenkian de Braga, tendo lá completado o 8º grau de piano e o curso de composição. Os seus interesses focam-se sobretudo no uso da música em meios audiovisuais, centrando-se actualmente na produção de library music e a sua comercialização em sites. Desde 2015, iniciou uma actividade de escrita de guiões para espectáculos musico-teatrais e música electrónica.

PROJECTO DE PÓS-DOC/DOUTORAMENTO/MESTRADO
Título Mestrado: O elefante na sala de pós-produção: a utilização de library music em criações audiovisuais
Orientação:

Paula Gomes Ribeiro

Referência da Bolsa: FCSH / CESEM / UID/EAT/00693/2013
Resumo:

A categorização de “library music” é uma prática transversal aos sites nos quais é actualmente comercializada, levantando questões relativamente aos discursos empregues na sua produção e apresentação, bem como à circulação de estereótipos musicais dentro das categorias. Circunscrevendo-me à comercialização de “library music” em três sites (AudioNetwork, PremiumBeat e Cézame), pretendo explorar as interacções entre os seus compositores e gestores, de modo a estudar os processos de categorização e as categorias na produção de “library music” para conteúdos audiovisuais no séc. XXI. Centrando-me nas categorias de ordem emocional, tenho por objectivos procurar responder às questões: 1) qual a importância das categorias na “library music”, nomeadamente, qual o seu peso na orientação da sua composição e aplicação em produtos audiovisuais?; 2) até que ponto serão essas categorias um reflexo e, simultaneamente, um reforço de convenções musicais e narrativas presentes em produções cinematográficas e televisivas?; 3) será essa categorização padronizada um dos motivos para os juízos de valor negativos de que a “library music” é alvo?

Grupo de Investigação:

Teoria Crítica e Comunicação