+351 21 790 8300 ext. 1496
cesem@fcsh.unl.pt

Luiz Carlos Almeida de Araujo

INVESTIGADOR EM FORMAÇÃO

Luiz Carlos Almeida de Araujo

Nota Biográfica:

Músico (multinstrumentista, cantor, compositor, arranjador e regente), Poeta, Artista Plástico, Pesquisador e Jornalista. Graduado em Licenciatura Plena em Música (agraciado com o Título de Dignidade Acadêmica “MAGNA CUM LAUDE”) pela Escola de Música da UFRJ e em Administração de Empresas pela UERJ. Cursos Superiores de Regência e Composição (incompletos) pela Escola de Música da UFRJ, além de outros de Extensão Universitária e afins. Lecionou em vários estabelecimentos de ensino oficiais e particulares, em diversos segmentos, no Brasil e em Portugal, além de orientar professores em formação contínua. Foi Assistente de Produção da POLYGRAM DISCOS LTDA. (atual gravadora UNIVERSAL), participando principalmente do primeiro LP solo do saudoso violonista Raphael Rabello e do disco “Homem dos 40”, do sambista João Nogueira. Diretor Musical de Corais (Aliança Francesa do RJ, SEPNL, etc) e Grupos Vocais (Cantabile, Procurasom, etc.), assinando também o trabalho musical de um Auto de Natal do saudoso imortal da Academia Brasileira de Letras Dom Marcos Barbosa. Escreve(u) artigos em publicações, além de colaborar em periódicos brasileiros e portugueses. Produtor Executivo de projetos (Musicalliance, Classique, Dançaliança, Opsom, etc.) para a Aliança Francesa da Tijuca, no Rio de Janeiro. Arranjador do 17º Festival Carmem Miranda (1997, Marco de Canavezes).Pesquisador e estudioso das Danças de Salão Brasileiras, está atualmente desenvolvendo trabalhos de investigação sobre a vida e a obra do dançarino DUQUE (Antonio Lopes de Amorim Diniz), entre outros. Poeta com obras selecionadas e publicadas em coletâneas do Brasil e de Portugal.

PROJECTO DE PÓS-DOC/DOUTORAMENTO/MESTRADO
Título Doutoramento: Maxixe: da censura ao sucesso, (n)os passos musicais da sexualidade brasileira
Orientação:

David Cranmer
Carlos Sandroni (c)

Resumo:

A investigação consiste num estudo e numa releitura do Maxixe, dança de salão brasileira que vigorou da segunda metade do século XIX até as primeiras décadas do século XX, analisando-se as principais implicações sociológicas, dentro do contexto histórico da época e, posteriormente, que conjuminaram numa identificação dos brasileiros como um povo voltado para as danças de caráter mais sexual, servindo isso como parâmetro de associação imediata e generalizada do Brasil. A trajetória, o desenvolvimento, o desencadeamento, os processos estilísticos envolvidos, seus principais interlocutores e todos os elementos essenciais à sua configuração e definição estética , a projeção do referido gênero no território nacional e no exterior, bem como sua decadência, transformação e influências, são abordados e interpretados na investigação – que conta, ainda, com um resgate dos seus principais passos –, resultando numa reestruturação de um período importante da História da Música Popular e das Danças de Salão Brasileiras.

Grupo de Investigação:

Música no Período Moderno