+351 21 790 8300 ext. 1496
cesem@fcsh.unl.pt

Nuno Fonseca

MEMBRO INTEGRADO

Nuno Fonseca

Foto
Bolseiro Pós-Doutoramento FCT
nunosmdafonseca@gmail.com
Nota Biográfica:

Nuno Fonseca (n. 1974) é actualmente investigador integrado do Instituto de Filosofia da Nova (Ifilnova) e do Centro de Estudos de Sociologia e Estética Musical (CESEM) da Universidade Nova de Lisboa, onde desenvolve o seu projecto de pós-doutoramento “Ouvir, Vibrar, Reverberar: valores da experiência sonora nas artes”, no qual investiga questões ontológicas, epistemológicas e estéticas levantadas pelos sons e pela experiência sonora, no âmbito das artes, com o apoio de uma bolsa Pós-doc da FCT. Leccionou recentemente, no departamento de Ciências da Comunicação da FCSH-UNL, a disciplina de “Retórica e Argumentação” (2012-2014), tendo também já leccionado, no âmbito do mestrado em Filosofia do departamento de Filosofia da mesma universidade, o seminário “Arte e Experiência” (2012-2013). Licenciado em Direito (1998) e em Filosofia (2004) pela Universidade de Coimbra, concluiu a parte curricular do mestrado em Filosofia, na especialidade de Estética (2005), na FCSH da Universidade Nova de Lisboa, tendo, para além disso, concluído, no ano 2012, o doutoramento em Filosofia, nessa mesma universidade, na especialidade de Epistemologia e Filosofia do Conhecimento, trabalhando sobre questões de representação e de percepção. Desde os anos 90, ligado a experiências com o meio sonoro, nomeadamente, através da realização de programas radiofónicos na Rádio Universidade de Coimbra, tem feito também algumas incursões na sonoplastia de espectáculos de teatro e performance, nomeadamente, Antológica (2014), de Vasco Araújo e do Teatro Cão Solteiro e Morceau de Bravoure (2015), espectáculo do Teatro Cão Solteiro com a Companhia Nacional de Bailado.

Publicações:

– “Hitting the ‘Play’ Button: the aesthetic values of videogame experience” in Itinera – Rivista di filosofia e di teoria delle arti, nº 11 (2016), pp. 75-96. ISSN 2039-9251. DOI: http://dx.doi.org/10.13130/2039-9251/7424.

– “Dar a ouvir a cidade: o valor estético das paisagens sonoras quotidianas” in Interact: Revista Online de Art, Cultura e Tecnologia, # 22-23 (Fevereiro a Julho 2015) ISSN: 2182-1402.

– “Soundscapes and the Temporality of Auditory Experience” in Castro, Raquel & Carvalhais, Miguel (eds.) Proceedings of Invisible Places / Sounding Cities. Sound Urbanism and Sense of Place, Viseu, 2014, pp. 523-534. e-ISBN: 978-989-746-048-7.

– Molder, Maria Filomena, Soeiro, Diana & Fonseca, Nuno (Eds.), Morphology: Questions of Method and Language, Lisbon Philosophical Studies – Uses of Language in Interdisciplinary Fields, Vol. 3, Bern: Peter Lang AG, Internationaler Verlag des Wissenschaften, 2013.

PROJECTO DE PÓS-DOC/DOUTORAMENTO/MESTRADO
Título Pós-doutoramento: Ouvir, Vibrar, Reverberar: valores da experiência sonora nas artes
Orientação:

Maria Filomena Molder

Isabel Pires (c)

António Pedro Pita (c)

Referência da Bolsa: SFRH/BPD/110716/2015
Resumo:

(EN)

A principal ambição deste projecto de investigação é uma compreensão mais profunda da experiência sonora, nomeadamente no âmbito artístico e musical, clarificando os valores epistemológicos, estéticos e ético-políticos que ela representa, num momento em que já se fala, no contexto da arte contemporânea, de um ‘sonic turn’. Visa, pois: produzir uma análise de questões epistemológicas, especificamente suscitadas pela experiência estética do som e pelas práticas artísticas contemporâneas que se focam no sonoro, como meio, como material ou como referência; descrever e analisar criticamente a exploração do som e da percepção auditiva no contexto das artes contemporâneas, problematizando o sentido e alcance das ‘artes sonoras’ mas também o lugar do som e da experiência sonora na criação, produção e recepção da música contemporânea, avaliando ainda tópicos de fronteira entre “artes sonoras” e música, como sejam a transdisciplinaridade, o (extra)musical, o conceptual e o experiencial, o acusmático e a especificidade local, a (i)materialidade do som e o espaço da escuta ou as relações entre visão e audição; e, finalmente, reavaliar a nossa experiência e cultura sonora quotidiana, pelo modo como as intervenções artísticas reflectem e problematizam o impacto da experiência sonora na nossa dinâmica social e política, memória e identidade culturais.

Grupo de Investigação:

Música Contemporânea