+351 21 790 8300 ext. 1496
cesem@fcsh.unl.pt

Thiago Queiroz

INVESTIGADOR EM FORMAÇÃO

Thiago Queiroz

Músico
thiagonqrio@hotmail.com
Nota Biográfica:

Doutorando em artes musicais (performance) na Universidade Nova de Lisboa, com convénio com a Escola Superior de Música de Lisboa, na qual tem co orientação com os Professores Andrew Swinnerton e Pedro Ribeiro. Mestrado em Música, habilitação em Oboé pela Universidade de Música de Karlsruhe (Alemanha), sob orientação do Professor Thomas Indermuhle. Graduado em Música, habilitação oboé na Universidade Federal do Rio de Janeiro, sob orientação do Professor Luís Carlos Justi. Actualmente é primeiro oboé licenciado na Orquestra sinfónica da Universidade do Rio de Janeiro e da Orquestra Sinfónica do Espírito Santo(Brasil). Actuou nas principais Orquestras brasileiras como: Orquestra sinfónica brasileira, Teatro municipal do Rio de Janeiro, Orquestra sinfónica do Teatro municipal de São Paulo, Orquestra Filarmónica de Minas Gerais, entre outras. Actuou como convidado na Orquestra de Opera de Karlsruhe, Orquestra Metropolitana de Lisboa, Orquestra Sinfónica Portuguesa e Orquestra Gulbenkian. Foi professor de Oboé e musica de Camara na Faculdade de Música no Espírito Santo e professor substituto na Universidade do Rio de Janeiro. Atua como solista, solando concertos como: concerto para oboé e orquestra de Mozart, Concerto para Oboé de Richard Strauss, Concerto duplo para oboé e violino de J S Bach, entre outros. Está em fase de conclusão do seu primeiro Cd solo, no qual produziu e gravou os pianos, as guitarras, baixos e os sopros (sax, oboé e corne Inglês). Participa como colaborador em inúmeras Bandas Sinfónicas de Portugal. Teve aulas com grandes oboístas como: Heinz Holliger,Ingo Goritzki, Albrecht Mayer, Francois Leleux, Jonathan Kelly, Washigton Barella, David Walter, Alex Klein, Stefan Schilli, Dudu Carmel, entre outros.

PROJECTO DE PÓS-DOC/DOUTORAMENTO/MESTRADO
Título Linguagens técnicas no oboé e corne inglês
Orientação:

Jorge Matta

Resumo:

Ao longo da minha experiência como professor de oboé constatei que há poucos trabalhos de referência no que diz respeito ao ensino de técnicas especificas para emissão de som no oboé e no corne inglês. Observei que os alunos se esqueciam do que era ensinado na sala de aula por não terem algo concreto, um manual especifico, que os fizessem lembrar o que lhes foi ensinado. Consequentemente, estes mesmos alunos se desenvolviam muito lentamente e perdiam um tempo precioso de estudo. Também constatei que muitos oboístas profissionais tocavam sem qualquer organização técnica sistemática, e que muitos conceitos como flexibilidade, apoio, ressonância e articulação não eram conhecidos. Me propus realizar uma investigação de que resultasse a demonstração e a elaboração de uma metodologia no ensino técnico destes instrumentos. Após uma minuciosa pesquisa bibliográfica, encontrei poucos trabalhos sobre a produção do som no oboé e no corne inglês, apesar de ter consultado muitos estudos técnicos, nomeadamente sobre digitação, reparação e fabricação de palhetas. O oboé e o corne inglês, além de serem instrumentos de palheta dupla, são quase idênticos na técnica de emissão do som. No oboé a palheta é colocada diretamente ao instrumento, no corne inglês a palheta é fixada a um tudel de metal para então ser fixada ao instrumento. Apesar desta diferença física, a questão da técnica de produção do som é praticamente a mesma. Desenvolver um debate que discuta dificuldades comuns ao oboísta, com suas possíveis influencias na aprendizagem, e fazer um levantamento de dados suficientes para o eventual estabelecimento de uma metodologia coerente no estudo dos instrumentos. Refletir sobre as possíveis estratégias no ensino técnico do oboé e do corne inglês que são utilizadas nas escolas de musica. Complementar, atualizar e enriquecer a literatura atual sobre o ensino do oboé e corne inglês, adicionando-lhe conhecimentos e informações ainda pouco explorados. Desenvolver um debate quanto às diferenças técnicas do oboé e do corne Inglês. O levantamento de questões importantes para a emissão do som no oboé e corne inglês, visando solucionar dificuldades convencionais dos instrumentos. Este levantamento deverá servir como um pequeno guia para jovens oboístas, para que eles possam ter um visão um pouco mais clara das possibilidades interpretativas e alternativas técnicas nos instrumentos. Divulgar o uso dessa pesquisa, para auxiliar e contribuir para estudos de interpretação no ensino do oboé e do corne inglês. Para além dos concertos, que ilustrarão o que é investigado neste trabalho, gravar em áudio e vídeo as ideias defendidas neste trabalho académico, demonstrando que com uma técnica adequada é possível tocar o oboé de maneira agradável.

Grupo de Investigação:

Música no Período Moderno

Linhas temáticas:

Música e Literatura

SociMus