+351 21 790 8300 ext. 1496
cesem@fcsh.unl.pt

Filipe Gaspar

INVESTIGADOR EM FORMAÇÃO

Filipe Gaspar

Bolseiro de investigação
fgaspar@fcsh.unl.pt
Nota Biográfica:

Bolseiro do Programa Doutoral “Música como Cultura e Cognição” na NOVA FCSH, desenvolvendo o projeto “Da História ao Quotidiano da Opereta em Lisboa: De meados do século XIX ao final da década de 1920”. Os seus principais interesses de investigação são: espetáculo músico-teatral (1850-1920); historiografia musical; história da vida quotidiana; música na imprensa. Tem trabalhado o terreno do teatro musical produzido no contexto lusófono no último quartel do século XIX, no âmbito do projeto de investigação “«Teatro para Rir»: a comédia musical em teatros de língua portuguesa (1849-1900)” (CESEM – NOVA FCSH), bem como durante o curso de mestrado, também em Musicologia Histórica, com a dissertação “Ciríaco de Cardoso e ‘O burro do Sr. Alcaide’: percursos de formação de um compositor de comédia musical no Portugal finissecular”. Permanece vinculado ao CESEM enquanto membro do Grupo de Investigação Música do Período Moderno, do SociMusi – Grupo de Estudos Avançados em Sociologia da Música e do NEMI – Núcleo de Estudos de Música na Imprensa. Foi Secretário da Direção da SPIM – Sociedade Portuguesa de Investigação em Música (2013-2015).

RUN: visitar
Publicações:

(2016) “Ciríaco Cardoso: Paradoxos da Carreira de um Compositor Português de Comédia Musical de Finais do Século XIX”. Em Actas del III Encuentro Iberoamericano de Jóvenes Musicólogos, Sevilla. Sevilla: Tagus-Atlanticus Associação Cultural. Acessível aqui

(2016). “Le Pouvoir Comique: insubordinação feminina no palco da opereta” [notas ao programa]. Em Concerto de Ano Novo. Temporada Sinfónica do Teatro Nacional de São Carlos. Lisboa: Teatro Nacional de São Carlos.

(2015). “Ciríaco de Cardoso e ‘O burro do Sr. Alcaide’ : percursos de formação de um compositor de comédia musical no Portugal finissecular”. Dissertação de Mestrado em Ciências Musicais – Musicologia Histórica. Lisboa: Faculdade de Ciências Sociais e Humanas – Universidade NOVA de Lisboa. Acessível em http://hdl.handle.net/10362/17641.

PROJECTO DE PÓS-DOC/DOUTORAMENTO/MESTRADO
Título Mestrado: Ciríaco de Cardoso e ‘O burro do Sr. Alcaide’: percursos de formação de um compositor de comédia musical no Portugal finissecular
Orientação:

Luísa Cymbron

Referência da Bolsa: PTDC/EA T-MMU/098/2008
Resumo:

O principal objetivo deste estudo foi compreender as etapas do percurso artístico do compositor portuense Ciríaco de Cardoso (1846 – 1900) e os discursos em torno de uma das suas obras mais célebres: O burro do Sr. Alcaide (1891). No primeiro capítulo procurou-se identificar e discutir os critérios que estiveram na base das opções profissionais tomadas por Ciríaco. O decurso da sua carreira leva a crer que possuía uma noção profunda das atividades que, no espaço lusófono, apresentavam maior potencial de aquisição quer de capital económico, quer de capital simbólico. É por isso que, mobilizando recursos das suas redes de sociabilidade, circula por instituições no Porto e em Lisboa mas, também, pelo lucrativo mercado teatral do Rio de Janeiro, assim como em Paris. Concentra-se no popular teatro musical – principal fonte de sustento – em paralelo com a atividade concertística e operática – forma de distinção atendendo à competitividade no mercado musico-teatral. Percebe também que a maximização do seu poder simbólico depende da legitimação alcançada pela sua associação às elites socioculturais locais, pelo que fomenta o estabelecimento de sociabilidades que se estendem inclusive às casas reais portuguesa e brasileira. Paradoxalmente, as redes mais próximas de Ciríaco estavam vinculadas a um idealismo republicano, relacionamento que pode ser entendido, por um lado, pela exponencial proliferação de discursos dessa índole pelos media lusófonos (sobretudo a partir do tricentenário camoniano de 1880) e, por outro, pela aparente inexistência de registos que associem inequivocamente o artista ao ativismo republicano. Não obstante, é provável que Ciríaco de Cardoso tenha explorado o filão antimonárquico na programação da temporada de 1891 do Teatro da Avenida.

O segundo capítulo explora a produção de O burro do Sr. Alcaide, através da análise da sua estrutura e das relações da obra com a realidade portuguesa da última década do século XIX. Embora respeite o modelo da opereta francesa, apresenta também características que poderão levar a que seja interpretada como transmissora de uma portugalidade idealizada, em linha com o nacionalismo português do último quartel do século. A ação decorre em Lisboa, cenário de interação entre personagens-tipo e caricaturas de personalidades concretas da elite sociopolítica portuguesa. Através de referências ao sebastianismo, satiriza-se o comportamento dessas elites, assim como as instituições da monarquia constitucional e a prevalência de uma visão messiânica dos governantes por parte da sociedade em geral. Faz-se a apologia da ruralidade através de tópicos musicais e de quadros onde se constrói uma imagem da música tradicional, correspondendo a uma idealização da nação – notada e enfatizada na receção pela crítica. Utiliza também outros tópicos pertencentes à paisagem sonora do público burguês, completando a expressão da urbanidade de um país onde essas duas realidades não eram ainda completamente dissociáveis. Contudo, ao não propor alterações efetivas à hierarquia da sociedade portuguesa finissecular, o desfecho da obra leva a concluir que esta terá consistido numa forma de propaganda o que, por um lado, explica o seu mediatismo e, por outro, vincula os seus autores – mais ou menos conscientes disso – às lutas políticas em curso aquando do ano da sua estreia.

Grupo de Investigação:

Música no Período Moderno