(+351) 918832027/20
cesem@fcsh.unl.pt

Maria Inês Pires

INVESTIGADOR EM FORMAÇÃO

Maria Inês Pires

Doutoranda
inespiresax@gmail.com
Nota Biográfica:
Maria Inês Nunes Pires frequenta o doutoramento em Ciências Musicais, especialidade em Ciências Musicais Históricas, na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade NOVA de Lisboa. É mestre em Ensino de Música e Licenciada em Música, variante Saxofone e pela Escola Superior de Artes de Castelo Branco. Estudou no Pôle d’Enseignement Supérieur Musique et Danse de Bordeaux, na classe de Saxofone e Música de Câmara Contemporânea de Marie-Bernadette Charrier. Em 2014, obteve o prémio Melhor Intérprete no Concurso Interno do CRCB, alcançou o 2º prémio no Concurso Nacional de Clarinete e Saxofone Sons de Cabral e foi finalista do Concurso Internacional de Saxofone Vitor Santos. Em 2017, inserida no grupo FEME, obteve o prémio Jovens Criadores, promovido pelo Instituto Português do Desporto e Juventude, na categoria de música. Participou no 17º e 18º World Saxophone Congress, em Strasbourg e Zagreb. Em 2017 e 2019, estreou peças de jovens compositores portugueses no Festival Mónaco Electroacoustique. Frequentou masterclasses com Jean-Marie Londeix, Claude Delangle, Vicent David, Lars Mlekusch, Christophe Grèzes, Jean-Michel Goury, Marcus Weiss, Andrés Gomis, entre outros. Desde de 2019, integra a equipa de produção do Festival DME, apoiado pela DGARTES.
Publicações:
Pires, M. I. (2020). O ensino da música erudita ocidental contemporânea: o estudo de dois casos. Castelo Branco: Escola Superior de Artes Aplicadas de Castelo Branco do Instituto Politécnico de Castelo Branco
Pós-Doutoramento/Doutoramento/Mestrado
Título Doutoramento: Agrupamentos instrumentais dedicados ao repertório erudito contemporâneo em Portugal no início do século XXI: Drumming, Síntese, Sond’Ar-te Electric Ensemble, Performa Ensemble e Ensemble DME
Orientação:

Isabel Pires

Resumo:

Em Portugal, país caracterizado por uma abertura a várias linguagens e estéticas musicais, verificamos a fundação de agrupamentos musicais dedicados ao repertório erudito contemporâneo por parte de compositores, associações, intérpretes, entre outros.
Com vista a uma investigação representativa do panorama nacional, estudamos o caso de 5 grupos sedeados em diferentes regiões do país: Drumming (Porto), Síntese (Guarda), Sond’Ar-te Electric Ensemble (Lisboa), Performa Ensemble (Aveiro) e Ensemble DME (Seia).
Combinando a análise documental de programas de concerto, relatórios de actividade, críticas, notícias, entre outra documentação existente, com os resultados obtidos de entrevistas semiestruturadas com os membros dos grupos, instituições que os acolhem, e directores artísticos, daremos a conhecer a história destes agrupamentos, a história da composição musical e os seus intervenientes desde o início do século XXI até à actualidade, e contribuiremos para o aprofundamento do conhecimento da cena musical contemporânea recente e sua documentação.

Grupo de Investigação:

Música Contemporânea