(+351) 918832027/20
cesem@fcsh.unl.pt

Othaniel Alcântara Jr.

INVESTIGADOR EM FORMAÇÃO

Othaniel Alcântara Jr.

Foto
Professor (Adjunto) - Universidade Federal de Goiás
othaniel.alcantara@gmail.com
Nota Biográfica:

Othaniel Pereira de Alcântara Júnior obteve, em 29 de abril de 2005, o título de Mestre em Música – área de concentração em Música, Criação e Expressão Musical -, pela Escola de Música e Artes Cênicas da Universidade Federal de Goiás (EMAC/UFG), orientado pela Professora Doutora Glacy Antunes de Oliveira. Nessa data, apresentou um recital de Música de Câmara (violino e piano), acompanhado pelo premiado pianista brasileiro Luiz Medalha Filho, além de fazer a defesa oral da Dissertação intitulada “Uma Edição Crítica da Sonata para Violino e Piano em Mi Maior, Op.36, de Henrique Oswald” (400 p.). Nessa mesma Instituição de Ensino Superior, graduou-se em violino, em dezembro de 1989, na classe do professor Crundwald Costa. Também possui o diploma de Bacharel em Direito pela Faculdade Anhanguera de Ciências Humanas, atual Uni-Anhanguera de Goiânia (1988). Foi violinista da Orquestra Filarmônica de Goiás (1981 a 1991). Desde 1991 é professor na EMAC/UFG com experiência em disciplinas como Instrumento/Violino, História da Música, Apreciação Musical, Literatura e Repertório para Cordas, além de coordenar a disciplina Música de Câmara. Nesta Instituição dirigiu os Cursos de Pré-Graduação (1994 a 1996), coordenou a Orquestra de Câmara da Escola (década de 1990), bem como o Curso de Bacharelado em Musicoterapia (1999-2004). Ainda na Universidade Federal de Goiás, entre os anos de 2008 a 2015, presidiu a comissão responsável pela elaboração, aplicação e correção das provas específicas de música do vestibular aos cursos de bacharelado e licenciatura em Música e Musicoterapia. Também é editor musical e colunista de música do Jornal “A Redação” (online). Entre 2013 e 2015, foi membro da Comissão de Projetos Culturais do Conselho de Cultura do município de Goiânia e, em 2015, foi eleito membro do Conselho de Cultura do Estado de Goiás.

Publicações:

Alcântara, Othaniel. P. de, Jr. (2018). Crundwald Costa e as sementes da modernidade cultural em Goiás. In H. S. F. Capel & A. L. Silva (Orgs.). Projeções Críticas da Modernidade: modernismos e modernidades a partir da experiência goiana. ISBN: 978-85-67476-46-9 (Cap. II [2.1], p. 63-92). São Paulo: Verona. Alcântara, Othaniel P. de, Jr. (2016). Imagens da Orquestra Filarmônica de Goiás: uma breve retrospectiva. In Colóquio de História e Imagens. Anais do VI Colóquio de História e Imagens, ISSN 2447-6676, 2016 (p. 190). Goiânia, Goiás: Grupo de Estudos de História e Imagens (GEHIM) – Programa de Pós-Graduação da Faculdade de História da Universidade Federal de Goiás. Alcântara, Othaniel. P. de, Jr. (2015). A recepção da obra de Henrique Oswald no contexto da criação da identidade nacional. In: Colóquio de História e Imagens. Anais do V Colóquio de História e Imagens, ISSN: 2447-6676, 2015 (p.123-140 ). Goiânia, Goiás: Grupo de Estudos de História e Imagens (GEHIM) – Programa de Pós-Graduação da Faculdade de História da Universidade Federal de Goiás. Alcântara, O. P. de, Jr. (Org.). Música para Violino II: solos, duos e trios de Estércio Marquez Cunha. Goiânia: Sociedade Cultural Elysium, 2015. Alcântara, Othaniel. P. de, Jr. (2015). Trio para violino e dois violões. In: Alcântara, Othaniel. P. de, Jr.; Unes, Wolney (Org.) Música para Violino II – solo, duos e trios Estércio Marquez Cunha. (v.2, p. 45-48). Goiânia: Elysium Sociedade Cultural. Alcântara, Othaniel. P. de, Jr. (Org.). Música para Violino I: música de câmara com teclado de Estércio Marquez Cunha. Goiânia: Casa Brasil, 2011. Alcântara, Othaniel. P. de, Jr. (2005). Uma Edição Crítica da Sonata para violino e piano em Mi Maior op.36 de Henrique Oswald. (v.1, Texto e Edição Crítica, 404p.; v.2, Anexos, 397p. Dissertação (Mestrado). Goiânia: Escola de Música e Artes Cênicas (EMAC), Universidade Federal de Goiás – UFG.

Pós-Doutoramento/Doutoramento/Mestrado
Título Doutoramento: A música sinfônica em Goiânia: uma abordagem histórica, política e sociocultural
Orientação:

David Cranmer

Resumo:

A cidade de Goiânia, inaugurada em 1937, abriga duas orquestras profissionais de médio porte. A mais jovem delas, a Orquestra Sinfônica, fundada em 1993, é mantida pela prefeitura municipal. Já a mais antiga, a Orquestra Filarmônica, faz parte do cenário cultural da região desde 1980, quando foi criada pelo Governo do Estado de Goiás. Esta foi eleita, no ano de 2015, pela mídia especializada em nível nacional, como um dos principais organismos do gênero no Brasil. A futura tese de doutoramento intitulada A música sinfônica em Goiânia: uma abordagem histórica, política e sociocultural pretende apresentar uma reflexão sobre ações de diferentes segmentos da sociedade goianiense que participaram dos processos de criação (1937 a 1980) e desenvolvimento (1980 a 2017) da música orquestral nesse município brasileiro.

Palavras-Chave: Musicologia; História da Música em Goiás; Música Sinfônica.

Grupo de Investigação:

Música no Período Moderno

Linhas e Núcleos de Investigação:

Estudos Luso-Brasileiros Núcleo Caravelas

Imagens:
image_preview (1)
image_preview (2)
image_preview (3)

Foto 01: Orquestra do Cinema Ideal – Cidade de Goiás (foto de 1927) A Orquestra Ideal era responsável pela parte musical nas sessões de filmes mudos no Cinema Ideal da Cidade de Goiás, primeira Capital do Estado de Goiás (Brasil). Membros desse grupo musical vieram a formar os primeiros conjuntos instrumentais criados em Goiânia, cidade planejada para ser a Capital do Estado, a partir de 1937.

Observação: A “Cidade de Goiás” foi a primeira Capital do Estado de Goiás, Brasil. É o atual nome do Arraial de Sant´Anna, fundado em 1727. Em 1739, ainda pertencente à Capitania de São Paulo, o arraial passou a se chamar Vila Boa de Goyaz. Após seu desmembramento da Capitania de São Paulo, em 1748, foi sede administrativa da Capitania de Goyaz e, posteriormente, do Estado de Goiás. O centro histórico da antiga Capital do Estado, que teve seu nome alterado para Cidade de Goiás em 1818, conserva a arquitetura barroca que faz lembrar o período da História do Brasil conhecido como Ciclo do Ouro. Em dezembro de 2001, a Cidade de Goiás recebeu da Unesco o título de Patrimônio Histórico da Humanidade. A cidade é conhecida, também, pela alcunha de “Goiás Velho”, apesar de muitos moradores acharem o nome pejorativo.


Foto 02: Orquestra Sinfônica de Goiás (Recorte do Jornal “O Popular”, de 1982) A Sinfônica de Goiás, criada em 1980, pelo maestro Braz Wilson Pompeu de Pina Filho, é a primeira orquestra profissional fundada em Goiânia.


Foto 03: Orquestra Filarmônica de Goiás (Recorte do Jornal “O Popular”, de 1988) Em 1988, a Orquestra Sinfônica de Goiás, fundada em 1980 em Goiânia, sofreu uma profunda reestruturação. Naquele ano, teve seu nome alterado para Orquestra Filarmônica de Goiás.